SENAR

Produtores rurais baianos são destaques na 2ª edição do Mundial de Queijo do Brasil

O estado conquistou 20 medalhas depois que agroindústrias foram assistidas pelo Senar Bahia

Publicada em

A qualidade dos queijos e derivados lácteos que são produzidos na Bahia ganhou mais um reconhecimento nacional. O estado se destacou na 2ª edição do Mundial do Queijo do Brasil, ao conquistar 20 medalhas (2 ouros, 6 pratas e 12 bronzes) no Concurso Mundial de Queijos e Produtos Lácteos, que ocorreu na semana passada, em São Paulo. O Senar Bahia, responsável pela capacitação dos produtores desta iguaria, marcou presença na competição.

Conhecida nacionalmente pelo potencial produtivo de grãos, fibra e frutas, a Bahia acaba de inserir os queijos artesanais em seu portfólio agropecuário. O item baiano vai participar do Concurso Mundial da França, em setembro de 2023.

“Foi uma satisfação participar do concurso mundial, levando um produto da Bahia, do Nordeste. Tive a honra de ser premiado com a medalha de prata, ainda mais já tendo recebido uma medalha de bronze”, ressaltou Gildemário Carneiro, de Nova Fátima. Ele e a sua esposa Zezé já tinham recebido medalha de prata pelos seus produtos no ENEL.

O produtor Lívio Mascarenhas, do município de Tanquinho, é um dos assistidos pelo Senar Bahia e também foi agraciado com as premiações do concurso. Ele recebeu duas medalhas de bronze e uma de prata, na produção de iogurtes de umbu, maracujá e licuri. A medalha de ouro foi para o produtor baiano João Campos, da cidade de Santanópolis, pela produção do queijo maturado.  

Produtores dos municípios de Amargosa, Morro do Chapéu, Itamaraju, Iraquara, Guanambi, Candiba, Caetité e Ibicoara também foram premiados. Esta última repetiu o feito do ENEL, mantendo o título de município com maior número de medalhas, com o total de cinco.

O CONCURSO

Além do anfitrião, o Concurso Mundial de Queijos e Produtos Lácteos contou com representantes de 10 países: México, Panamá, Estados Unidos, Portugal, Espanha, França, Itália, Suíça, Inglaterra e País de Gales, totalizando 1.133 produtos inscritos, julgados por 180 jurados. Destes, 21 ganharam medalhas Super Ouro; 86 Ouro; 158 Prata e 219 Bronze. O evento tem como principal objetivo reconhecer os melhores queijos do mundo, avaliados por uma comissão de jurados brasileiros e estrangeiros.

Com os concursos chancelados pela Guilde Internationale des Fromagers, o Mundial é a única premiação nacional que contempla produtores artesanais e industriais.